15 de fevereiro de 2018

Creepshow

Talvez eu tenha um apego por filmes de antologias de contos, é o que estou começando a constatar depois de vários posts assim por aqui. Pode ser que isso seja verdade, mas acho mais provável que eu apenas ache mais fácil e mais propício falar deles.
Assim, hoje vou indicar o filme Creepshow, de 1982, cujo roteiro é do Stephen King e no qual o próprio King atua. A direção é de George Romero, então, temos aí uma parceria para encher qualquer fã de horror de alegria. A ideia para o filme surgiu do desejo dos dois de homenagear as antigas revistinhas de horror que adoravam na infância/adolescência.
               Uma coisa muito legal do filme é a forma como eles conseguiram conseguiu misturar tramas de vingança, horror, mortos vivos e elementos “gore” com uma camada de humor bem latente.
O filme se passa no dia das bruxas e começa com uma discussão em família, que culmina no pai jogando fora uma HQ do filho, alegando que ela só traz bobagens e é inútil. A HQ em questão chama-se Creepshow e o que vemos a seguir são as cinco histórias contidas nela.
Dia dos Pais – Esse conto traz as consequências de atos de maldade e rabugice e nos mostra como a frase célebre do Sr. Madruga é verdadeira: “A vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena”. Aqui vemos um romance frustrado, uma família cheia de rancor e pessoas que voltam dos mortos em busca de vingança.
A Morte Solitária de Jordy Verrill – Traz a história de um caipira que tem sua ruína pelo que pensa ser uma grande oportunidade de ganhar dinheiro. A história consegue ser uma hilária desventura com uma pitada de “A Cor Que Caiu do Espaço” (conto de Lovecraft) e O Monstro do Pântano (desenhado originalmente por Jack Kamen). Além disso, um dos pontos altos é ver a atuação do próprio Stephen King no papel do protagonista.
Indo com a Maré – Traz um marido vingativo e calculista, que traça um cruel e elaborado plano para se livrar de sua esposa e seu amante. Porém, a frase do Sr. Madruga mais uma vez se aplica e o marido traído não sai impune.
A Caixa – Ao descobrir uma caixa datada de 1.834 na faculdade onde trabalha, o zelador entra em contato com um professor. Curiosos sobre a genuinidade da caixa e seu conteúdo, os homens decidem abri-la e, liberam uma criatura sedenta por carne humana. O professor acaba contando o ocorrido para outro professor e, o que pode ser uma desgraça bestial para alguns, pode ser vista como uma oportunidade de ouro para outros.  
Vingança Barata – O trocadilho não poderia ser mais adequado. Este conto traz a história de um milionário que tem T.O.C. por limpeza. Assim sendo, preza por estar sempre em ambientes quase esterilizados, evitando qualquer contato com o exterior por seus insetos e bactéria. Eis que o homem que não suporta uma formiga, passa a ter problemas com baratas em sua fortaleza da limpeza. Os bichos que, outrora, foram dizimados do lugar agora voltam em busca de sua vingança, ou é o que parece...
Após todas as histórias de vingança apresentadas, algumas frustradas outras nem tanto, é a vez de voltarmos “à vida real”, onde o garotinho ainda inconformado com o fim dado a sua HQ, acha uma forma de fazer o pai (literalmente) sentir pelo que fez.
Recentemente, a editora DarkSide Books lançou a HQ Creepshow e como tudo feito pela editora, o primor da obra é tremendo. A edição é simplesmente~ a HQ que aparece no filme, com a mesma capa feita por Jack Kamen e contando as cinco histórias apresentadas no filme. As ilustrações foram feitas por Bernie Wrightson, um ilustrador excepcional que também tem um pé no horror, convertendo essa HQ numa verdadeira obra prima do horror.
Imagem de divulgação da editora DarkSide Books
                Você que já viu o filme ou leu a HQ, o que achou? Você que ainda não conhecia, não perde tempo” É muito fácil de achar o filme para download ou para ver online e a HQ está a venda em livrarias tanto físicas quanto virtuais.   


    Share on Facebook Tweet about this on Twitter Share on Google+ Pin on Pinterest Share on Tumblr Digg this Share on LinkedIn

0 comentários :

Postar um comentário