11 de outubro de 2016

#M.E.D.O. - Semana #1

Há pouco mais de uma semana, eu fiz um post falando sobre o #M.E.D.O. (se você não viu, clica aqui!) e como havia dito, farei posts semanais com os filmes que eu vi. Bem atrasado (para não perder o costume), aqui vai o post da primeira semana do Projeto, que é dedicada aos filmes de Monstros.
Dos sete filmes da lista sugerida para essa semana, eu só mantive 3, os outros foram substituídos por filmes que eu já queria ver/rever ou que achei com mais facilidade.
Uma coisa que percebi com este projeto é que não lembro bem de uma boa parcela de filmes clássicos e ainda tem uma parcela deles que não vi. 


#1  O Enigma de Outro Mundo
Este filme estava na lista sugerida e é um dos casos de filmes que eu não tinha visto ainda (shame on me). O filme é dirigido por John Carpenter e traz a história de uma base de pesquisa americana alocada na Antártida que acaba ameaçada por uma espécie alienígena que assimila o DNA de outros organismos e se torna uma cópia deste. A partir dessa premissa, os homens que viviam nesta base se veem lidando com a desconfiança constante uns dos outros e com o medo de se tornarem vítimas da criatura extraterrestre. 
É um filme muito interessante e apesar de não desenvolver bem os personagens, trabalha bem a atmosfera de tensão no ambiente restrito em que a trama ocorre e assim consegue prender bem a atenção do espectador.
O filme é 1982 e além da tensão do enredo, conta com maquiagem/ efeitos práticos que funcionam muito bem e ajudam a aumentar o suspense e o medo, especialmente nas cenas mais sangrentas do filme.
Deixo vocês aqui com a paródia do filme pelo icônico Pingu, só lembrando que tem todos os spoilers possíveis aí! Haha  



#2 A Mosca
Essa foi a primeira substituição que fiz na lista de sugestões. Como o tema era “Monstrengos” e ainda não tinha visto A Mosca até o final, achei que seria uma ótima chance de ver o filme e ainda discutir sobre ele.
O filme conta a história do cientista Seth Brundle, que acredita ter feito uma invenção que revolucionará o mundo: o Telepod. Ele conta de sua invenção para Verônica, uma jornalista, que começa a documentar em vídeo o experimento. Após vários testes e ajustes, Brundle julga que sua criação está pronta e, num impulso, decide que ele mesmo iria entrar na máquina e se teletransportar. O porém é que havia uma mosca em uma das cabines e ele acaba sendo fundido geneticamente com o inseto.
A partir daí o cientista vai se metamorfoseando e ao passo que vai se tomando uma aparência asquerosa, o filme vai mostrando cada vez mais o dilema do criador que se apega demais a sua criação ao ponto de não ver que sua perspectiva "visionária" é a ruína de sua humanidade. O filme não faz uso de computação gráfica, logo a maquiagem usada é algo que merece muito destaque, tendo inclusive, ganhado um Oscar.   
Gostei muito de ter visto esse filme e acho que mesmo com 30 anos, ele ainda consegue causar aquele misto de expectativa, medo e até repulsa no espectador. Você vai sofrendo com os pesares de Verônica e a mutação de Brundle de forma que o final, mesmo sendo uma tragédia anunciada, te toca. 









#3 Pumpkinhead – A vingança do Diabo (1988)
Já fazia tanto tempo que havia visto esse filme que mal lembrava dele. A trama começa com a chegada de um grupo de jovens chegando a uma pequena cidadezinha dos EUA para passarem uns dias e se divertirem com suas motos. Por acidente, um dos jovens atropela uma criança e o pai do garoto (Henriksen), um homem fechado e solitário fica irado com a tragédia e acaba procurando meios macabros para trazer seu filho de volta. Não tendo êxito nisso, acaba por invocar “Pumpkinhead”, uma criatura demoníaca que inicia uma vingança contra os que Henriksen julgava ser os causadores de seu infortúnio. Ao perceber o derramamento de sangue inocente, o homem acaba se arrependendo, porém, agora a ligação dele com o monstro é inegável e o preço a pagar pelo mal feito sai muito caro.
As atuações não impressionam muito, mas achei muito legal poder ver outra vez este filme e relembrar sua trama que apesar de simples, é bem interessante. A trilha sonora, a iluminação e os efeitos práticos são bem legais também, e tenho certeza de que quando vi pela primeira vez anos atrás, devo ter ficado bem impressionada.  

#4 O Segredo da Cabana
Este filme é daqueles de terror que se misturam bastante com comédia por justamente parodiar o gênero mais amedrontador. Vemos um grupo de jovens que decide passar uns dias em uma cabana na floresta e acaba encontrando por lá com seus piores pesadelos, num misto de todos-os-filmes-de-terror-que-você-já-viu e uma pitada de teoria da conspiração. O grupo traz a risca o time de estereótipos dos filmes de terror e depois até dá uma justificativa para isso.
O filme é repleto de elementos clássicos dos filmes de terror como “se separar” no meio de um acontecimento bizarro, ficar de costas pra janelas de vidro com “monstros a espreita” e etc. O enredo não traz nada de novo, mas a brincadeira com os clichês e conspiração é o suficiente para divertir e segurar a atenção do espectador.


#5 Águas Rasas
Até fiquei em dúvida se este filme se enquadraria aqui no tema “monstros”, mas resolvi colocar porque Spielberg mostrou em “Tubarão” que animais podem assumir personalidade perseguidora e mexer com o psicológico do espectador a tal ponto de se transformarem em verdadeiros monstros no imaginário.
Neste filme, Nancy resolve fazer uma viagem para espairecer após a morte da mãe e ir em busca de uma praia onde sua mãe esteve na época de sua gravidez. Ao achar essa praia, ela resolve aproveitar o local paradisíaco para surfar e aproveitar ao máximo. O problema é que ela é surpreendida pelo ataque de um tubarão enorme e percebe que não terá tempo de chegar até a praia. Ferida, ela nada até um recife esperando que após algum tempo o tubarão se vá, já que aquele local tem “águas rasas” demais para o animal. No entanto, isso não acontece e Nancy se vê obrigada a planejar formas de conseguir sobreviver, escapando ou eliminando o monstruoso inimigo.
O filme consegue criar aquela atmosfera de tensão simplesmente mostrando a areia da praia e a “pequena” porção de água que separa o limitado refúgio da protagonista de lá. Os maiores problemas do filme estão nas soluções de roteiro meio exageradas algumas vezes, mas no geral, isso não atrapalha a boa experiência que ele proporciona. 

#6 A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça
Fiz questão de manter este filme na lista porque é um filme que adoro e sempre tenho prazer em rever, embora hoje em dia não consiga ver como ele me assustava tanto. Haha
A história se passa no final do século XVIII em Nova York, onde um jovem  investigador é enviado a Sleepy Hollow para descobrir o autor de uma série de mortes que vem aterrorizando o lugarejo. Os habitantes do lugar atribuem os crimes ao Cavaleiro Sem Cabeça, que dizem ter sido um cruel cavaleiro que havia morrido no lugar há tempos atrás da mesma forma como as atuais vítimas estão sendo assassinadas: decapitado. O jovem oficial é bem cético e não dá ouvidos aos populares quando começa sua investigação, porém acaba descobrindo que o sobrenatural pode ser a peça chave para impedir que as matanças continuem acontecendo.
Esse filme é dirigido por Tim Burton e além do ótimo roteiro, ainda tem boas atuações e uma fotografia/ estética maravilhosa. Acho que o filme encontra uma harmonia incrível entre o lúdico e o sombrio, o belo e o macabro e por isso é tão apaixonante. Sempre vale a pena rever!


#7 Extermínio 2
Para fechar a semana de monstros, resolvi ver um filme de zumbis e o escolhido foi a continuação do aclamado Extermínio.
Este filme traz uma Londres devastada por um vírus desconhecido que atinge as pessoas e os torna zumbis sedentos por carne humana. O enredo conta a história de Don, que consegue escapar de um ataque destes zumbis (embora não de forma muito honrosa) e após uma quarentena e “enfraquecimento do vírus” vai para uma colônia onde os militares começam a reestabelecer a sociedade. Quando as pessoas que estavam fora da ilha são trazidas de volta, Andy e Tammy, filhos de Don, voltam também e reencontram o pai, porém uma ação impulsiva acaba trazendo o vírus de volta e destrói em pouco tempo a esperança de reconstrução da civilização ali, de forma que os militares recebem ordem de exterminar cada pessoa (contaminada ou não). No meio disso, Andy e Thammy tem que correr tanto para escapar dos contaminados quanto para não cruzar o caminho de nenhum militar e sobreviver.
Achei o filme bem legal e a franquia traz duas coisas bem interessantes que dificultam bastante a fuga dos sobreviventes: a primeira é que a contaminação e transformação acontece em pouquíssimos minutos e a segunda é que seus ‘zumbis’ se movimentam com a mesma velocidade que teriam caso não estivessem contaminados. Isso ajuda a impulsionar a ação do filme e a criar a tensão no espectador, sempre ansioso pra saber se o pessoal vai conseguir escapar de alguma maneira ou não.

               Bom, esse foi o saldo dessa primeira semana de Outubro pra mim. E vocês? Estão participando do desafio? Se sim, me fala aí nos comentários quais foram seus escolhidos que vou adorar saber! ^^


    Share on Facebook Tweet about this on Twitter Share on Google+ Pin on Pinterest Share on Tumblr Digg this Share on LinkedIn

3 comentários :

  1. QUE pavor eu tenho de filmes de aliens, você não tem noção. Eu sinceramente não tenho coragem de ver o The Thing, senão vou sair desconfiando que todos são aliens querendo me comer/matar. A Mosca é um filme bem nojentinho mas que tenho muita curiosidade de ver, a maquiagem é incrível mesmo, muito merecido o oscar. A vingança do diabo tem uma trama que muito me interessa mas não sou fã de filmes com essa temática de espiritos/demonios etc. O segredo da cabana parece ser um filme bem engraçado, e mesmo não sendo fã de filmes de terror, é meio obvio que não se deve ficar perto de uma janela e ficar atenta com armários (tenho pavor de armários sem porta!!!!). Águas Rasas e A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça são os únicos filmes que vi da lista por um motivo simples: tive coragem de assistir sozinha hahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Te entendo perfeitamente, Lina. Aliens são seres bem amedrontadores justo porque a gente desconfia que eles existam, mas nunca vimos nada para nos basear. Como bem disse Lovecraft "o maior e mais antigo medo da humanidade é o medo do desconhecido".
      Tem muitos subgêneros dos filmes de suspense/ terror, que bom que mesmo não sendo muito fã você encontrou alguns do seu agrado e teve coragem de ver sozinha! haha
      Abraço e até mais! :D

      Excluir
  2. Te entendo perfeitamente, Lina. Aliens são seres bem amedrontadores justo porque a gente desconfia que eles existam, mas nunca vimos nada para nos basear. Como bem disse Lovecraft "o maior e mais antigo medo da humanidade é o medo do desconhecido".
    Tem muitos subgêneros dos filmes de suspense/ terror, que bom que mesmo não sendo muito fã você encontrou alguns do seu agrado e teve coragem de ver sozinha! haha
    Abraço e até mais! :D

    ResponderExcluir