31 de outubro de 2016

#M.E.D.O. #5 - Cinebook

Cá estamos nós para o último post do MEDO - Movie Everyday In October. Os três últimos filmes do projeto foram escolhidos em parceria com a Editora DarkSide Books e fazem parte da sessão Cinebook, “Filmes para Ler”.
Essa sessão de livros da DarkSide, como o próprio nome sugere, tem foco em filmes clássicos. Alguns desses livros são o romance que deu origem ao filme (como “Menina Má”, de William March), outros tem material sobre a gravação do filme, fotos inéditas e até roteiros (como Donnie Darko e Sexta feira 13, por exemplo).
Como aconteceu em todos os posts do desafio, não segui a risca a lista sugerida. Desta vez, deixei apenas um filme da lista original. Assisti Horror em Amityville no lugar de Donnie Darko (uma escolha que me deixou menos desgraçada da cabeça, certamente) e Sexta feira 13 ao invés de O Massacre da Serra Elétrica.
Então, é isso. Vamos aos filmes!

#1 Menina Má (1956)
Fiquei muito feliz em ter este filme na lista, pois faz pouco tempo que li o livro que deu origem a ele (veja o post aqui) e já estava curiosa para ver a adaptação.
Em português, o título ficou “Tara Maldita”, acho que só pra continuar a tradição de traduzir toscamente mesmo, vez que a tradução literal “Semente do Mal” teria ficado infinitamente melhor.
Achei o filme incrível! Talvez o ritmo seja meio lento para alguns, no entanto, devemos lembrar que ele é de 1956, logo, o timing não era o mesmo dos filmes atuais. A fidelidade ao livro é impressionante e, mesmo com alguns pequenos detalhes modificados, acho que este é um dos casos que ver o filme antes pode atrapalhar terrivelmente a experiência de leitura. A maior divergência entre o filme  é o livro é o final, então, se você já leu e ainda não viu o filme, ele tem algo inédito pra você.
A narrativa traz como figura central Rhoda, que parece ser uma criança maravilhosa: educada, alegre, organizada e que nunca se suja. No entanto, a frieza da garota diante da morte de um colega de classe que, dias antes, havia ganho uma medalha que ela queria muito, faz com que sua mãe comece a suspeitar de que há algo errado e maligno com sua filha.

Por que eu deveria sentir pena? Foi Claude Daigle quem se afogou, não eu!

O filme deixa latente o mesmo questionamento do livro: o mal é uma consequência do ambiente ou pode alguém carregar uma semente dele que pode brotar independente do meio em que a pessoa cresça?
As atuações são incríveis, especialmente a de Rhoda, interpretada por Patty McCormack que convence como uma criança meiga e mais ainda como uma assustadora manipuladora. Nacy Kelly (a Sra. Penmark) e Eileen Heckart, intérprete da Sra. Daigle (mãe do garotinho que morre) também merecem destaque.
Super indico o filme e o livro!

#2 Horror em Amityville (2005)
O filme que vi foi o remake do filme de 1979, lançado em 2005. Ambos são baseados no livro de Jay Anson (recentemente lançado pela Darkside Books), que por sua vez, é baseado em uma história real.
O enredo é sobre a família Lutz composta por George, sua mulher e seus três enteados, que se mudam para uma casa na Rua Ocean Avenue, em Amityville. No momento da compra da casa eles até ficam sabendo que o futuro lar, no passado, foi palco de brutais assassinatos, mas partindo do princípio de que “casas não matam pessoas, pessoas matam pessoas”, eles acabam comprando a casa mesmo assim.
Felizes e empolgados por estarem vivendo o sonho americano de ter uma boa casa onde viverão felizes, a família  começa a notar o acontecimento de estranhos fenômenos que transformarão este sonho num verdadeiro pesadelo.
O filme é bem legal e é daqueles que trabalha bastante em cima dos jump scares, mas a construção da tensão e do roteiro também são bem feitas. Desta última parte, claro, temos  que relevar alguns clichês e escolhas não muito inteligentes dos personagens, mas nada que exija demais da sua paciência.
Depois do filme, fiquei bem curiosa para ler o livro e bastante feliz com o fato de que a Caveirinha lançou uma edição em português, o que vai facilitar bastante as coisas…
Outra coisa que fiquei pensando é no quão legal seria ver um filme dos demonologistas Ed e Lorraine Warren nesse caso, já que eles estiveram lá e ficaram bastante abalados com o que viram, como vemos no começo do filme Invocação do Mal 2.


#3 Sexta feira 13 (1980)
O último filme que escolhi para a sessão Cinebook da DarkSide foi o clássico Sexta feira 13, cujo livro publicado pela Caveirinha, “Arquivos de Crystal Lake”, disseca os acontecimentos, bizarrices e curiosidades das filmagens do longa nas palavras de David Grove. Outras coisas legais deste livro são as fotos inéditas que ele traz e seu prefácio, escrito por Tom Savini, responsável pela maquiagem e efeitos especiais do filme.
O filme é de 1980 e foi dirigido por Sean S. Cunningham. A história, creio que todo mundo conheça… Um acampamento de férias (Crystal Lake) é fechado após o terrível assassinato de um casal, ocorrido pouco tempo depois da morte do afogamento do jovem Jason Voorhees, que acampava no local. Vinte anos depois, um empresário resolve reabrir o local e colocar alguns jovens para trabalhar lá durante a temporada de verão. O resultado é o esperado: Em 95 minutos de filme, vemos um a um, os jovens monitores serem assassinados por um misterioso e implacável assassino mascarado.
Acho que este filme (ou os que o seguiram dessa franquia) foi o responsável por lançar diversos clichês e a regra de ouro: nem pensar em acampar com o (a) namorado (a) com segundas intenções!
A premissa pode não ser das mais incríveis, mas morte após morte, a curiosidade acerca da identidade do assassino e suas motivações  vai prendendo a intenção do espectador.
Com várias cenas que se tornaram clássicas e sangue para dar e vender, Sexta Feira 13 trouxe Jason e o consagrou como um dos personagens de terror mais icônicos de todos os tempos. O personagem ganhou inúmeras sequências, um crossover e é referência para vários slashes que o seguiram.





    Share on Facebook Tweet about this on Twitter Share on Google+ Pin on Pinterest Share on Tumblr Digg this Share on LinkedIn

0 comentários :

Postar um comentário