4 de abril de 2016

Notas Desnecessárias

Apesar de ter criado o blog pra compartilhar algumas das coisas que gosto e pelo meu ponto de vista, tenho uma monstruosa dificuldade de ser mais pessoal e por isso acabo não falando quase nada sobre mim.

Quem leu a descrição ali na lateral viu que essa pessoa que vos escreve é estudante de Ciências Contábeis (que apesar do pensamento comum, não é da turma das exatas! Haha). O que talvez não saibam é que além de estudar também trabalho, e essa combinação faz com que nem sempre eu tenha tempo pra ler, ver filmes/ séries ou mesmo escrever por aqui...

             Só pra esclarecer, isso não quer dizer que sempre que deixo de escrever é porque estou ocupada demais pra isso, afinal, há um inimigo muito grande e constante na minha vida: a procrastinação. 

Muitas vezes tenho o que fazer (planos, ideias e mesmo obrigações), mas vou deixando o tempo passar, inventando desculpas, esperando a melhor hora de fazer, esperando disposição pra fazer, esperando inspiração, esperando, esperando, esperando... Isso me causa além de um pouco de dor de cabeça (nos casos de provas, trabalhos, etc.), um baita desânimo. Fico enrolando as coisas e quando me dou conta estou sobrecarregada de afazeres e não sei por onde começar. 

Só nas últimas, que vou definindo as prioridades, me obrigando e realmente fazendo. Nessa parte do efetivo 'fazer', também acontece uma outra coisa que é bem comum na minha vida: a auto sabotagem (e/ou pessimismo).

Eu simplesmente deixo de fazer várias coisas porque acho que não vai ter importância ou que não vai dar certo. Isso acontece quando deixo de me candidatar a vagas pra seja lá o que for na faculdade ou mesmo a parcerias no blog porque apesar de me interessar por elas, tenho uma sensação de certeza de que não vai acontecer. Aí, seja pra não ter que lidar posteriormente com a frustração de quebra de expectativa ou com a onda de pessimismo e baixa autoestima (que me dizia desde o princípio que não daria certo), eu abro mão de tentar.

Este ano estou trabalhando alguns desses problemas e, ao contrário do que eu imaginava, 'tentar' já está me fazendo um grande bem. Este mês já consegui ver muitas das séries que queria, vi uma quantidade considerável de filmes (que até pretendo falar melhor no blog) e estou colocando a leitura em dias também. 

Em 2016 entrei no projeto 12 Meses de Poe e estou adorando reler os contos deste autor e poder discutir e ver opiniões de outras pessoas a respeito deles. Além de tudo, esse projeto está me ajudando a organizar meu tempo para ler e escrever aqui, então só tem me proporcionado coisas boas!

Parar de procrastinar ou de se auto sabotar é perder um pouco do medo da frustração de não conseguir e dos julgamentos alheios e isso não é bem uma tarefa fácil, mas para minha surpresa, até agora estou indo bem. É muito bom se libertar de coisas que lhe angustiam e apesar de ser complicado quando essas amarras partem de você próprio, a satisfação que vem ao ver algum progresso já é um grande orgulho. 

Estou tentando ser mais paciente comigo mesma e com minhas falhas e este blog tem sido importante pra isso também. Enfim, acho que nunca fiz um post como este por achar "desnecessário", mas dessa vez eu quis tentar externar essa pequena conquista em progresso.

"Through nature's inflexible grace
I'm learning to live"


    Share on Facebook Tweet about this on Twitter Share on Google+ Pin on Pinterest Share on Tumblr Digg this Share on LinkedIn

2 comentários :

  1. Super te entendo...
    Preguiça, procrastinação, desânimo, pessimismo... tudo isso me persegue também... algumas vezes eu tento olhar pra mim mesma e ver de onde tá nascendo essas coisas pra tentar parar e mudar, mas nem sempre é fácil assim.
    Fico feliz que você esteja conseguindo mudar isso! ^^
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma luta diária, mas as pequenas batalhas ganhas dão muito ânimo para as próximas, Mone.
      Li um post seu há algum tempo que falava sobre como você estava se sentindo e me vi totalmente nele também. É difícil, mas a gente tem que seguir em frente.
      Beijão, sua linda!

      Excluir