15 de abril de 2016

Justine Ou Os Infortúnios da Virtude

Não sei se você já ouviu falar do infame Marquês de Sade, mas uma constatação sobre ele é que você não consegue ser indiferente ao seu trabalho. O autor é uma figura bem polêmica, conhecido pelos textos eróticos e críticas a sociedade em que viveu (século XVIII). Há quem ache o escárnio e a promiscuidade de suas obras brilhantes, mas em contrapartida, muitos acham seu trabalho bizarro ou até repugnante. Se você não conhece nada sobre essa figura, sugiro dar uma olhada em alguma de suas obras antes de formar uma opinião e aqui vai uma sugestão...


Não se trata propriamente de um livro de Sade, mas da adaptação de uma de suas obras para os quadrinhos. O livro original é "Justine ou Os Infortúnios da Virtude"Guido Crepax é o responsável pela adaptação cujas imagens você verá neste post. Como era de se esperar, é um quadrinho erótico cheio de sexo, devassidão e nudez como a obra de Sade. Crepax traduziu Justine para os quadrinhos de forma magistral, numa arte completamente em preto e branco. 
A história começa quando os pais de Justine morrem e ela e sua irmã (Juliete) perdem tudo que tinham e são obrigadas a deixar o convento onde viviam. As duas são o modelo de irmãs com personalidade completamente distintas que a ficção vive nos mostrando e, logo, cada uma segue seu caminho. Justine escolhe o caminho da virtude, já Juliete, segue disposta a tudo para se dar bem na vida.

Justine é uma moça honesta, recatada e religiosa, que se recusa a gozar de quaisquer vantagens que lhe são oferecidas às custas de macular suas crenças e sua virtude.  Exatamente por isso, ela passa por maus bocados e situações cada vez mais torturantes para seu espírito e para o leitor que fica incrédulo com o quão “sem sorte” pode ser essa jovem.
Vemos retratados em seus malfeitores uma sociedade imunda e, sobretudo, hipócrita. Que prega valores morais como a virtude, bondade e humildade em público, mas que secretamente (e nem tão secretamente assim), só está interessada na satisfação de seus desejos pessoais. Pessoas que não ligam de humilhar, castigar e tripudiar do corpo ou alma de alguém para conseguir o que querem.

Há uma grande crítica a membros do clero pela hipocrisia, mas não só a eles é atribuída tal característica. Justine é uma pobre alma num mundo vil, de devassidão e insensibilidade, onde as pessoas que às claras discursam como homens de bem defendendo a moral e os costumes cristãos, na verdade são os piores pecadores.

Na mão dessas pessoas, Justine é mal tratada, castigada, sodomizada e, apesar dos infortúnios e perversões que vive, não duvida jamais da Providência Divina e permanece com sua fé inabalável à Deus e a seus ideais.  Justine é boa e virtuosa. Ama a bondade e jamais deixaria de praticá-la, ainda que isso a faça vítima das mais ardis situações e dos mais algozes carrascos.


A narrativa é eficiente em nos prender a história e ficamos realmente preocuparmos com o que pode acontecer a Justine, ansiosos pra ver se a sofredora protagonista desfrutará de um final feliz depois dos inúmeros sofrimentos e, às vezes, até chateados com a bondade (absurda) dela.

A trama traz uma reflexão até filosófica acerca da natureza humana, que criou para si uma moral e valores que não consegue seguir, porém é hipócrita demais para se desvencilhar dela e por isso torna o "ser" é insignificante se você puder ao menos "parecer".

Também vemos uma boa dose de ironia a este moralismo propagado, já que Justine é uma personagem bondosa e virtuosa, mas de forma alguma é bem compensada por essas suas qualidades. A ela só resta se amparar pelo ideal cristão de que será recompensada na outra vida. O que foi destinado a ela nesta vida pode ser traduzido pela máxima “Nenhuma boa ação vem sem punição”. 

O prólogo da HQ (que recomendo ler depois de terminar o quadrinho) foi escrito por Roger Thornhill e é muito interessante também. Seu título é "Justine: A virtude como transgressão" e nos diz (basicamente) que os sofrimentos de Justine são causados devido a frustração da sociedade hipócrita ao ver alguém genuinamente bondoso. 

Recomendo muito esta HQ e acho que esta história visceral vai te prender e te angustiar do inicio ao fim em busca de saber se haverão mais desventuras na vida de Justine ou se o bem finalmente irá ser recompensado. 

Você pode encontrar “Justine” em livrarias ou lojas especializadas em HQ’s (tanto físicas quanto virtuais) e, também, disponíveis para ler online ou pra download gratuito. Lembrando que, pelo teor erótico, é recomendado só para maiores de 18 anos.



    Share on Facebook Tweet about this on Twitter Share on Google+ Pin on Pinterest Share on Tumblr Digg this Share on LinkedIn

4 comentários :

  1. Parece muito bom, nunca li nada do Marquês de Sade, apesar de ter alguns livros dele na lista de desejos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bom sim, Quel! Espero que chegue logo a hora dele na sua lista de leitura!
      Beijão e até mais! <3

      Excluir
  2. Já ouvi falar muito, mas nunca li nada de Sade. Adorei a dica dessa HQ como uma introdução à sua obra. Confesso que fiquei bem curiosa quanto ao final e também quanto ao restante da obra do Marquês.
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale a pena procurar e ler, Mone, é algo bem visceral e único!
      Beijo e té mais! ^^

      Excluir