17 de outubro de 2016

Menina Má

DarkSide Books é conhecida pelo primor de suas edições, tanto no cuidado estético com os livros quanto pela escolha de seu catálogo. Então, não é para menos que a cada lançamento da editora, a wish list literária de muitos aumente.  Contudo, um dos primeiros livros que realmente me chamou muita atenção foi "Menina Má", de William March. Lembro que li várias resenhas na época do lançamento (e até depois) e minha vontade de ler e poder tirar minhas próprias conclusões a respeito da trama só crescia. Demorei, mas comprei o livro na Book Friday da Amazon e olha... Todas as minhas expectativas foram atendidas.




A história é ambientada nos EUA e gira em torno da família Penmark, especialmente de Rodha, uma garotinha de oito anos filha de Cristine e Keneth Penmark. Rodha é uma criança bem diferente das demais: é autossuficiente, comportada, dedicada às suas tarefas e frequentemente elogiada por sua educação. Apesar de ser muito estimada pelos mais velhos que a veem como uma criança espetacular, a garotinha não é muito querida pelas outras crianças que a acham estranha e têm até certo medo dela.

Rodha é o centro da história, porém é pelos olhos da mãe, Cristine, que tomamos conhecimento da história. Vemos suas dúvidas e posteriores angústias e medos acerca da índole da garota, que a princípio é apenas uma criança precoce, peculiar e um pouco gananciosa, mas que depois se mostra alguém manipuladora, cruel e sem empatia.

O estopim para o tormento da Sra. Penmark é a morte de um colega de turma da filha. Esse fato começa a desencadear desconfianças na mulher, já que dias antes da tragédia, o garoto havia ganho uma medalha de caligrafia que Rodha estava convicta que seria sua. 



As estranhas circunstâncias acerca da morte do garoto e o comportamento da filha no dia fatídico foram fazendo Cristine refletir mais e mais acerca de outras tragédias já ocorridas na presença de Rodha e estranhamente explicadas. A sra. Penmark, então, decide pesquisar sobre psicopatas e sereal-killers a fim de entender melhor a psique da própria filha e em suas descobertas finda por saber também de fatos assustadores que envolvem ela própria

Rhoda nunca foi desobediente, preguiçosa ou petulante, como algumas crianças são. Ela tem tantas qualidades. Só tem esse probleminha; essa peculiaridade de caráter. 


O mérito do livro está na forma como aborda a psicopatia infantil e no questionamento sobre a origem do mal no ser humano, levantando a possibilidade deste ser passado como uma herança genética maldita e responsável por criar seres humanos cruéis e frios, como alguns casos mencionados no livro. Também passa pela possibilidade desta “semente do mal” ser algo que pode permanecer guardado e jamais se manifestar se o ambiente em que a pessoa vive não for propício para isso. A resposta final sobre a origem do mal não sabemos, mas no caso de Rodha o livro não deixa muitas dúvidas.





      Que as crianças podem ser cruéis em alguns casos, como zombar excessivamente de alguém, excluir outras de brincadeiras ou mesmo bater em outras mais novas, acho que todos conseguem conceber. No entanto, ver na ficção sobre crianças psicopatas e assassinas, ou casos reais como o de Mary Bell e Beth Thomas, por exemplo, ainda nos choca bastante. Imagine, então, um livro com essa temática quase inconcebível sendo lançado há 62 anos!

           "Menina Má"  era um livro muito pesado e contundente para o seu tempo. Isso não o impediu, contudo, de ser um sucesso de vendas que até gerou uma adaptação teatral e um filme, posteriormente. Isso se deve, creio eu, pelo êxito do autor na forma de falar sobre o tema, valendo-se bastante da psicanálise (em alta na época em que o livro foi escrito) para reforçar sua trama.
  
March consegue relatar o suplício de uma mãe ao ver sua filha como uma fria psicopata de uma forma que o leitor não só sofre junto a mãe, mas também fica angustiado a cada página, ao ponto de não conseguir largar até chegar a conclusão da história.


           
Falando sobre o material extra, o prólogo do livro é bem interessante e traz uma análise da obra, fazendo um paralelo com a vida do autor. Este prólogo e a pequena biografia do autor no final do livro são bem interessantes e muito úteis para apresentar o autor de forma um pouco mais aprofundada, possibilitando até melhor compreensão da obra. No entanto, indico que só leiam o prólogo após a história em si, para evitarem possíveis spoilers e também para poderem absorver melhor o texto. 
            Obviamente, não posso deixar de falar do acabamento do livro que além de ser capa dura e ter uma ótima diagramação, ainda traz uma linda fitinha azul para marcar a página. A arte da capa também é algo que merece destaque, pois combina perfeitamente com a história: algo lúdico e de aparência inocente, à primeira vista, mas que guarda algo de maligno. 

            Recomendo muito este livro tanto por seu tema muito instigante quanto pela leitura em si, que é bem fluida e envolvente.


    Share on Facebook Tweet about this on Twitter Share on Google+ Pin on Pinterest Share on Tumblr Digg this Share on LinkedIn

4 comentários :

  1. Eu já sou bem louca por esse livro, depois da tua resenha deu mais vontade ainda de ler. Pena que dinheiro é algo que tem faltado até pro básico, quanto mais pra poder comprar livros :/ Mas certamente vou comprar e ler assim que puder, gosto bastante dessa temática de como pessoas lidam quando descobrem a psicopatia em algum familiar. Já leu o livro Mentes Perigosas? É muito foda, vale a pena também.

    Beijo e obrigada pela resenha!
    www.vultuspersefone.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dinheiro tá complicado mesmo, mas fica de olho em promoções que vez por outra o preço sai em amigo. Além disso, esse mês tá cheio de sorteios, vai participando... Quem sabe algum deles não te leva esse presente? ^^
      Eu sempre tive vontade de ler esse livro (Mentes Perigosas), mas até hoje nunca comprei e nem li. Espero ter oportunidade de ler em breve.
      Beijão e obrigada pelo carinho, Rafa! <3

      Excluir
  2. Meu sonho esse livro, e a tua resenha só me deixou mais louca ainda para telo em mãos, mas ainda não rolou pro meu bolso, quem sabe logo logo. É que sou daquelas que prefere o livro físico do que eBook, sabe como é néh. Mas é lindo demais gente, queroooo *_________*
    Sexo, Fraldas e Rock'n Roll

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei bem como é, Paola... Não tá fácil o negócio e também sou apegada aos livros físicos, o que pode dificultar ainda mais, mas no caso da DarkSide, mais ainda, vale a pena ter o livro. A diagramação e cuidado com o livro são incríveis, quando puder, invista. Não irá se arrepender!
      Beijão, lindona! =**

      Excluir