19 de julho de 2016

Stranger Things

Fim de semana é tempo de ficar em casa, descansar e, claro ver as séries e filmes que a correria da semana não deixa.
Este fim de semana vi a série Stranger Things, que apesar de ter estreado na sexta (15/07), já está sendo bastante comentada e agradou muita gente! Adianto logo, não é sem motivo: essa série original da Netflix traz um mix perfeito de suspense, ficção e drama e já se tornou uma queridinha para mim! 

Ambientado em uma cidadezinha de Indiana, a série traz um clima nostálgico ao nos mostrar uma trama passada na década de 80, com inúmeras easter eggs e referências à Cultura Pop. Somos remetidos a clássicos que vão desde O Senhor dos Anéis, Dungeons & Dragons e o saudoso Atari, até filmes como Goonies, E.T. - O Extraterrestre e Allien.
Apesar de o saudosismo ser um forte elemento para conquistar o espectador, a série apresenta bem mais que isso! Com um enredo envolvente, personagens super cativantes e uma aura constante de mistério, Stranger Things é daquelas séries impossíveis de largar antes do fim.
O enredo se inicia com um grupo de quatro crianças terminando uma campanha de RPG no porão de um deles. Esse quarteto de amigos (Mike, Lucas, Dustin e Will) forma o típico grupo de nerds que irá protagonizar a história: são inteligentes, curiosos, ávidos por aventuras e, claro, alvo de bulling no colégio.
Na volta para casa, um desses garotos, o Will Byers, desaparece, deixando para trás apenas sua bicicleta. A cidadezinha pacata se mobiliza em busca do garoto, mas não obtém muito sucesso. A mãe de Will, Joyce Byers (interpretada por Winona Ryder), entra num desespero que beira a insanidade pelo desaparecimento do filho, fazendo uma grande atuação.

O aparecimento misterioso de Eleven (ou El), uma garota dotada de poderes telecinéticos encontrada pelos garotos e a certeza de que Will ainda está vivo, levam as crianças a investigarem o paradeiro do amigo. O irmão de Will (Jonathan Byers) também segue procurando pelo irmão e, em certo ponto, recebe a ajuda de Nancy (irmã de Mike) e seu namorado atleta, Steve Harrigton, formando basicamente, o núcleo adolescente da série. Logicamente há uma investigação pela polícia local, encabeçada pelo Xerife Hopper seguida de perto pela mãe de Will. 
Acompanhamos essas três linhas de investigação paralelamente, até que elas se cruzam com o elemento desconhecido, desencadeando o que facilmente poderia ser descrita como uma teoria da conspiração envolvendo uma base militar do governo que fica nos arredores da cidadezinha, mas que se mostra muito mais real do que se pode imaginar.
Além da trama central, ainda temos um certo aprofundamento de alguns  personagens meio improváveis, como do Xerife Hopper e de Eleven, a garotinha que vai ganhando cada vez mais importância na trama.
É indispensável falar da bela escolha da trilha sonora, que funciona como um complemento perfeito para as cenas além das maravilhosas atuações da série, especialmente do núcleo infantil! Millie Bobby Brown, a Eleven, tem um brilhantismo em sua atuação e maravilha o espectador com sua expressividade. Os garotos Finn Wolfhard (Mike), Gaten Matarazzo (Dustin), Noah Schnapp (Will) e Caleb McLaughlin (Lucas) também se saem muito bem, especialmente este último, que faz o contraponto do garotinho racional e “do contra”, muitas vezes.
Com um bom roteiro, cheio de mistérios e de atuações incríveis, Stranger Things deixa a aura de suspense sempre no ar e, mesmo tendo um final bem amarrado, ficam algumas pontinhas por onde a segunda temporada poderá seguir.
Os criadores da série são os Irmãos Duffer (Matt e Ross), que apesar de pouco conhecidos, agora estão “no radar” como mentes promissoras. Não só pela harmonia da série, mas pelo fato de trabalharem em cima de vários clichês e conseguirem fazer tudo funcionar de forma fluida e sem cair, de modo algum, no “mais do mesmo”.
Recomendo muito a série tanto para os saudosistas dos anos 80 quanto para os amantes de Cultura Pop, pois tem uma trama interessante e envolvente e apesar das referências inúmeras, consegue se sustentar sozinha e proporcionar momentos de imersão fantásticos, que vão desde o friozinho na barriga até aquele sorriso bobo no rosto quando algo dá certo para os amigos.
Aqui embaixo você pode ver o trailer da série e julgar por si mesmo se é empolgante o suficiente para conferir, caso ainda não tenha visto! Se você já viu a série, vamos debater sobre ela nos comentários! <3


    Share on Facebook Tweet about this on Twitter Share on Google+ Pin on Pinterest Share on Tumblr Digg this Share on LinkedIn

4 comentários :

  1. Meu boy começou a assistir essa série e falou que não gostou. Só por via das dúvidas, fui assistir também (afinal, fala de RPG!!!!!) e olha, tô curtindo bastante mesmo. Acredita que nos primeiros episódios eu não reconheci a Wynona? Hahaha
    Mas confesso que tô no quinto episódio e agora só termino quando acabar <3
    Beijão, linda!

    www.vultuspersefone.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu até entendo quem não curtiu por não ter nenhuma 'grande novidade', mas acho que a série é muito boa no que se propõe a fazer e me pegou de uma forma impressionante!
      Espero a próxima temporada ansiosamente e espero muito que você goste quando acabar de ver! <3
      Beijão, Rafa!

      Excluir
  2. Eu ouvi falar desa série nos últimos dias mas ainda não tinha entendido muito bem sobre o que era! Agora fiquei curiosa! Principalmente por causa da Wynona hahaha Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dá uma olhada no primeiro episódio que provavelmente você não vai conseguir largar, Deborah! Hahaha
      A Winona está maravilhosa no papel, você realmente entende a Joyce no desespero e na garra pra procurar o filho! Espero que você veja e mais ainda que goste da série!
      Beijão! ^^

      Excluir