30 de junho de 2016

Salvo pelo Gongo

Olá, tudo bem por ai?

 Eu gosto muito saber de curiosidades por trás de expressões populares e de fatos históricos e sempre que posso procuro a respeito. Como o conto do mês de Junho do #12MesesDePoe é “O Enterro Prematuro” e no próprio conto o Poe cita um método interessante de precaução contra enterros precipitados, lembrei de uma expressão que é bem popular e cuja origem não é muito conhecida. Este post, então, é sobre algumas versões que explicam a origem da tão usada expressão “Salvo pelo gongo”.


Acredito que é de conhecimento geral as circunstâncias em que usamos essa expressão, geralmente quando estamos diante de uma situação iminente de perigo ou constrangedoras que repentinamente é impedida por algo.

 Uma das versões diz que devido às pequenas dimensões da Inglaterra, nem sempre havia espaço para enterrar todos os mortos. Por essa razão, os caixões eram abertos e os ossos transferidos para ossuários para que outro defunto pudesse utilizar o túmulo. Acontecia que, ao abrir os caixões, por vezes, viam-se arranhões nas tampas do caixão pelo lado de dentro, indicando que aquela pessoa havia sido enterrada viva. Acredita-se que muitos destes casos ocorreram porque enterravam como mortos, pessoas com surtos de catalepsia, que ao acordarem encontravam-se presas ali e arranhavam e forçavam as tampas para sair.
“Catalepsia é um distúrbio que impede o doente de se movimentar, apesar de continuarem funcionando os sentidos e as funções vitais (só um pouco desaceleradas). A pessoa fica parecendo uma estátua de cera e muitas vezes é confundida como morta” 

Assim, para evitar tais tragédias, surgiu a ideia de amarrar uma cordinha no pulso do defunto, que passava por um buraco no caixão e era presa a um sino, que ficava do lado de fora. Nos sete dias seguintes ao enterro, ficavam de vigília ao lado do túmulo. Se a pessoa acordasse, o movimento do braço faria com que o sino tocasse e a mesma fosse resgatada, assim sendo literalmente “Salvo pelo gongo”.

     
Uma segunda versão, que é bem parecida com a primeira, diz que a mesma faria referência às pessoas que bebiam vinho em taças de certo metal que as deixavam derrubadas, como mortos. Muitas pessoas eram enterradas vivas, e percebeu-se isso quando abriam o caixão (provavelmente pelo mesmo motivo que o faziam na primeira versão) e viam que as pessoas estavam com os rostos muito arranhados, o que julgavam acontecer porque essas pessoas acordavam de ressaca e viam-se presas.

Há uma terceira versão ainda, que nada tem haver com as duas primeiras, que atribui à origem da expressão a história de um guarda do Palácio de Windson, no século XVII que foi acusado de dormir no posto. Porém ele alegou estar tão acordado que ouviu o sino da igreja tocar 13 vezes naquela noite, justificando assim a origem da expressão que é originalmente "Saved By The Bell".

 Qual dessas versões realmente foi a origem do "Salvo pelo gongo" eu não sei, mas achei todas bem interessantes e é sempre bom saber dessas coisas, por mais irrelevantes que sejam, como dizem "Conhecimento nunca é demais". Espero que tenha gostado!





    Share on Facebook Tweet about this on Twitter Share on Google+ Pin on Pinterest Share on Tumblr Digg this Share on LinkedIn

Um comentário :

  1. Que massa isso, cara! Mas que triste ao mesmo tempo... Imagina ficar sete dias ao lado de um túmulo meio que esperando o defunto acordar e ele não acordar :/ De certo modo, é só mais uma esperança que a pessoa tinha antes de se despedir de vez do falecido. Muito tri tu buscar as origens da expressão, nunca ia adivinhar que tinha essas origens aí!

    Abraços, Thays linda!
    www.vultuspersefone.blogspot.com

    ResponderExcluir