18 de maio de 2016

H. P. Lovecraft

O post de hoje é dedicado à vida de um dos meus autores favoritos, H.P. Lovecraft. Tem tanta coisa interessante no Universo criado por esse autor, que sempre ficava sem saber por onde começar, então, neste post vou falar um pouco da vida dele, para familiarizar os que não o conhecem para os próximos posts. 

Ainda assim, acredito que mesmo quem nunca leu uma obra dele já deve ter ouvido seu nome por aí e, mais ainda, alguma referência às suas criações!
Tentáculos, terrores inimagináveis, monstros indescritíveis e ameaças cósmicas são apenas alguns dos elementos característicos das obras de Lovecraft. Tanto brilhantismo que dá até medo de lembrar que por muito pouco seu legado não caiu no esquecimento. Felizmente, isso não aconteceu e, hoje, suas obras influenciam várias pessoas em diferentes segmentos da arte.

Howard Phillips Lovecraft nasceu em 20 de agosto de 1890, em Providence, Rhode Island. Ele foi uma criança bem precoce e aos três anos já sabia ler. Nessa época da sua infância, seu pai (Winfield Scott Lovecraft) sofreu um colapso nervoso e foi internado num hospital, onde permaneceu até sua morte, em 1898. Com isso, a responsabilidade de sua criação recaiu sobre sua mãe, duas tias e, em especial, sobre seu avô, que detinha algumas posses. 

Na infância, foi aficionado por diversas culturas e ciências. Uma delas foi a cultura árabe e, nessa época, criou o pseudônimo de Abdul Alhazred, nome que posteriormente atribui ao autor do diabólico Necronomicon. Mais tarde, mudou seu foco para a mitologia grega, depois para ficção fantástica, até descobrir a química e, finalmente, a astronomia. 

Por ter alguns problemas de saúde, Lovecraft não frequentou regularmente a escola na infância e isso contribuiu para que não conseguisse fazer muitos amigos. Os livros da biblioteca do avô foram sua principal companhia  e isso tornou ainda mais dolorosa a morte do patriarca, quando a família foi obrigada a se desfazer de parte de seu patrimônio, incluindo a casa em que moravam, com sua imensa biblioteca.

Outro fato que marcou sua vida foi quando Lovecraft começou a ler os primeiros magazines pulp e, contagiado pelo universo da literatura amadora ele começou a escrever suas ficções, criando os contos 'A tumba' e 'Dagon' no verão de 1917.

        Entre seus autores favoritos estavam dois camaradas que já apareceram aqui pelo blog: Poe e Chambers. Ambos tiveram grande influência nos primeiros contos de Lovecraft.

Além do começo como escritor, as revistas pulp também proporcionaram o envolvimento de Lovecraft numa rede de correspondência assídua com amigos e associados, hábito que o tornou um dos maiores e missivistas do século. 

Existem muitos boatos acerca da sexualidade de Lovecraft, mas o fato é que ele chegou a se casar em 1924 e a mudar-se para Nova York, onde a esposa (Sonia Haft) residia. No entanto, Lovecraft não gostava da vida na metrópole e se sentia extremamente desconfortável com as 'massas de forasteiros' que chegavam diariamente na cidade. Este é, inclusive, outro ponto polêmico que ronda o autor, acusado de ser extremamente racista e xenofóbico. O preconceito com imigrantes, e o sentimento misantrópico, podem ser facilmente notados na ambientação de vários contos, especialmente em 'Horror em Red Hook' e 'Ele', que foram escritos nessa época. 

Esse desgosto pela vida em Nova York somado a dificuldades financeiras que o casal passou, culminaram no divórcio deles e, em 1926, o autor voltou para Providence. Nos anos seguintes, escreveu alguns de seus contos mais icônicos, estabelecendo seu universo. Foi nessa época que escreveu 'O chamado de Cthulhu' (1926), 'Nas montanhas da loucura' (1931) e 'A sombra vinda do tempo' (1934-1935).

Lovecraft faleceu em decorrência de um câncer no intestino, em 15 de março 1937 e foi sepultado em 18 de março, no jazigo da família Phillips, no Swan Point Cemetery. 

Como não teve nenhum livro publicado em vida (exceto 'A sombra de Innsmouth') e suas obras estavam espalhadas em inúmeras revistas pulp amadoras, o destino mais provável para seu legado era o esquecimento. Mas é como dizem, "quem tem bons amigos tem tudo" e, nesse caso, a amizade dos correspondentes foi a responsável pela imortalidade de sua obra. Isso porque August Derleth e Donald Wandrei, tiveram a ideia de lançar um livro com intuito de preservar e honrar o legado do amigo e, para isso, criaram o selo editorial Arkham House, destinado inicialmente à publicação de Lovecraft. Primeiramente editaram The outsider and the others (O forasteiro e outras histórias), em 1939, mas diversos outros volumes se seguiram pela Arkham House. Essas publicações foram as responsáveis por preservar o trabalho de Lovecraft e, assim, permitir que suas obras fossem conhecidas e traduzidas para outras línguas, difundindo seu legado.

               Hoje, Lovecraft é um nome consagrado, sendo responsável pela criação do gênero de 'horror cósmico' e vemos a influência de suas obras amplamente em livros, filmes, games, séries e músicas. Em sua cidade natal há uma convenção anual para reunir os fãs de suas obras, a NecronomiCon Providence.

Se você quiser ler mais sobre a vida e obra de H.P. Lovecraft, o Site Lovecraft tem bastante coisa e a Editora Hedra tem uma biografia do autor bem interessante também.

Até mais e...

 "Iä! Iä! Cthulhu Fhtagn!"





    Share on Facebook Tweet about this on Twitter Share on Google+ Pin on Pinterest Share on Tumblr Digg this Share on LinkedIn

2 comentários :

  1. Aiiiii Thays, que post incrível! Tô aplaudindo aqui! Adoro biografias e gosto de ver as visões de cada pessoa que escreve, porque cada um vai contar de um jeito. Já li bios do Lovecraft que focam tanto no xenofobismo dele que quase parei de gostar dele por causa disso, ainda bem que consegui separar as coisas...

    O Lovecraft produziu tanta coisa na vida dele que eu me perco só de pensar, tenho uma antologia dele em PDF com 1200 páginas, imagina... gosto muito do trabalho da Hedra atualmente, mas espero que a DarkSide organize um pouco essas publicações, às vezes a gente não sabe o período em que um conto foi escrito, até o estilo de linguagem do escritor muda dependendo da época né? Tipo, Horror em Red Hook e A Tumba pra mim são dois textos completamente diferentes, hahaha.

    Espero que você faça mais textos informativos assim sobre o Lovecraft, a gente tá precisando de guias bacanas de leitura!

    Desculpa o textão empolgado. <3333
    Beijos!

    Meu blog
    Desafio de leitura #12mesesdePoe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anna, meu amor! Não acredito que nunca respondi esse teu comentário, me desculpa! :o
      Fico tão feliz que tenha gostado do post! Sobre a questão da xenofobia e do racismo do Lovecraft e nas obras dele, acho que têm que ser colocado em contexto. Naquela época era um pensamento comum. Não quer dizer que era algo bonito, apenas que se deve levar em consideração que eram outros tempos e algumas pessoas acabam não fazendo isso.
      O trabalho da Hedra com as obras dele é realmente incrível, tenho algumas das edições e são primorosas. Este é um ótimo ano pra ser fã ou pra conhecer o Lovecraft, muita coisa boa lançada e com previsão de lançamento.
      Quanto aos diferentes estilos de escrita dele, pretendo falar em outro post. Aqui foi mais uma apresentação mesmo, uma pequena biografia pra que possam conhecer alguns dos fatos mais marcantes da vida dele. Os estilos que ele explorou em seus contos, os melhores livros ou contos pra começar a leitura e os principais trabalhos serão temas dos próximos posts!
      Beijão e mais uma vez me desculpe a demora! <3

      Excluir