12 de dezembro de 2015

Namor - As profundezas [Repost]

O post de hoje é dedicado a uma das primeiras HQs que li: 'Namor, As Profundezas'. Achei esta obra simplesmente fascinante e para saber o porquê disso, basta continuar lendo o post!

Antes de tudo, talvez seja necessário fazer uma pequena apresentação do Namor, o príncipe submarino que, mesmo tendo apenas um papel secundário na história, dá nome a ela:

"Namor, o Príncipe Submarino ou simplesmente Namor é um personagem da Marvel Comics criado em 1939 pelo desenhista Bill Everett, e por isso o personagem da Marvel mais antigo, figurando como um dos primeiros super-heróis dos quadrinhos. Suas origens estão relacionadas à lendária Atlântida."
- Wikipedia

O enredo conta a história de Stein, um explorador cético que desvenda mitos e prova sua inexistência. Na história, ele é procurado por um grupo da marinha, para encontrar o Capitão Marlowe, desaparecido no fundo do mar com sua tripulação, logo após um último contato em que dizia estar vendo Atlântida, a fim de descobrir se o tal capitão tinha mesmo encontrado  a cidade afundada "em um único dia e noite de infortúnio".

Stein, como um homem cético e vendo ai uma grande oportunidade de desmistificar ‘a Fábula de Atlântida’, aceita o convite. Porém, com o desenrolar da história, ele vai sendo intensamente agitado pelas profundezas e obscuridades do oceano, que acaba fazendo com que ele confronte seus próprios demônios, ficando desorientando, sem certeza do que é real e o que é obra do seu imaginário influenciado pelas lendas da tripulação de seu submarino.

Vale destacar que os homens do mar são conhecidos por serem pessoas muito supersticiosas. O confinamento nas embarcações por longos períodos de tempo, fortalecem muitas dessas crenças, criando lendas e mitos. Principalmente em se tratando de um lugar tão assustadoramente grande e desconhecido, o oceano.


A cada capitulo que passava, assim como a tripulação do ‘Platão’ à medida que o submarino afundava, eu também ficava mais e mais tensa e ansiosa com a profundidade, com a pressão e com a apreensão de encontrar o Príncipe Submarino.

O que temos nessa HQ é uma bela caracterização dos personagens, um protagonista bem desenvolvido e um clima de terror e suspense bem caprichados, uma arte realista e sensacional de Esad Ribic, e um Namor que amedronta sem sequer pronunciar uma palavra. A simples menção do seu nome já é o suficiente para que os outros personagens (e confesso que eu também) fiquem aterrorizados.

Este encadernado me surpreendeu, já que não sou muito de ler HQs de Super-heróis e tal, mas à medida que fui lendo, percebi que não é um quadrinho de um herói ou um vilão, é uma história de terror muito bem elaborada e envolvente e ai, fiquei apaixonada.

A edição que brasileira é a da Panini books e é muito bem trabalhada, com folhas de ótima qualidade e capa dura, uma edição bem caprichada e com o preço super acessível, apenas R$ 22,90.

Então... Se você gosta de histórias com essa atmosfera de suspense, vale muito a pena conferir!


    Share on Facebook Tweet about this on Twitter Share on Google+ Pin on Pinterest Share on Tumblr Digg this Share on LinkedIn

6 comentários :

  1. Que legal fazerem uma leitura meio de terror envolvendo Atlântida! Saber que Namor é um daqueles personagens pouco explorados pela Marvel (abre o olho Marvel!) e recebe este tratamento de classe deve ser empolgante!
    Vou procurar para ler!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Vivien! Eles tem vários personagens com potencial, mas pouco explorados... Seria maravilhoso ver mais roteiros bem feitos explorando esse personagem!
      Espero que ache e mais ainda que goste da HQ!
      Beijão, minha linda!

      Excluir
  2. A história parece bastante interessante. Preciso pegar o costume de ler HQs pra poder começar ler boas histórias como essa parece ser ^^
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem legal mesmo, Mone! Te digo uma coisa: é um hábito que só tende a te fazer feliz se adotado, viu? Tem muita coisa boa no mercado das HQs, algumas que fazem realmente jus ao adjetivo 'genial'!
      Beijão e até mais! =**

      Excluir
  3. Só pra corrigir, não o seu texto, mas o da wikipédia citado no artigo, Namor está longe de ser um dos primeiros super-heróis do mundo, os primeiros super-heróis do mundo são BRASILEIROS, criados no início do século XX, por exemplo, o primeiro, OSCAR, de 1906.
    Mais detalhes:
    http://primeirossuperherois.blogspot.com.br/2014/06/introducao.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela informação, Rod!
      Com certeza irei dar uma olhada no blog pra saber mais sobre esses super-heróis brasileiros!

      Excluir