16 de novembro de 2015

Tales of Mystery and Imagination, The Alan Parsons Project [repost]

Pra começar, vou logo dizendo que este é um álbum que eu adoro! O ‘Tales of Mystery and Imagination' é um disco da banda de rock progressivo The Alan Parson’s Project. Pelo nome já dá pra ver de onde vem a referência e acho que é o que faz do álbum tão especial, pois nos dá a oportunidade de experimentar, de uma forma diferente, algumas das mais renomadas obras do nosso tão querido Edgar Allan Poe.
 

"Alan Parsons é um engenheiro de som e produtor de discos inglês que ganhou renome por ter trabalhado no estúdio Abbey Road em gravações dos Beatles e, especialmente, pelo trabalho no álbum The Dark Side of the Moon, do Pink Foyd. Ele fundou o Alan Parson's Project na década de 70 e o Tales of Mystery and Imaginations foi o seu primeiro álbum, lançado em 1976 ."
O ‘Tales of Mystery and Imagination’ traz uma interpretação musical para alguns dos contos e poemas do Poe, entre eles estão incluídos clássicos como "The Raven" e "The Tell-Tale Heart", e outras obras não tão afamadas como “(the sistem of) Doctor Tarr e Professor Fether”, por exemplo. 

Acho importante ressaltar que, como toda banda de rock progressivo que se preze, seus discos tem a parte técnica muito bem trabalhada e sonoridade rica em detalhes e isso torna o efeito final muito bom.

Falando das melodias, acho simplesmente que são hipnotizantes, principalmente em “The Raven”, que é muitíssimo equilibrada entre momentos tranquilos e explosões. Acho especialmente foda nessa música os vocais meio codificados no início da música (não sei bem como definir isso). Lembro que da primeira vez que ouvi fiquei bem na dúvida se eram vocais mesmo ou algum instrumento ou efeito que fizesse parecer cantado. Além disso, o refrão dessa música (que também é o trecho mais conhecido do poema) é muito marcante, justamente pelo motivo de ser um conto tão familiar. E se posso lhe dar uma certeza é a de que depois de ouvir esse disco é que a frase “This quoth the Raven, ‘nevermore’” não vai sair da sua cabeça mesmo! 
Encarte do Disco
De tempos em tempos a minha fixação por esse álbum vem a tona e encho a timeline com  faixas dele, meus amigos no facebook sabem bem, masss... Há uma razão simples pra isso: acho todas as músicas desse disco muito boas e quando começo a ouvir, quero ouvir todas e nem sempre me contenho e compartilho também! Haha

Apesar do mencionado acima, ainda posso eleger “The Tell-tale heart” como minha favorita... Ela se destaca tanto pela extravagância vocal e pelos instrumentos de sopro, quanto pela parte mais orquestral ou mais calma: tudo contribui para que a música seja muito marcante e empolgante. Fora que o conto é um dos que mais gosto também...

Quanto a música “Fall Of House Of Usher" que é a mais épica do álbum, ela foi inspirada no fragmento de ópera de Claude Debussy, chamado "La chute de la maison Usher". Apesar de achar essa música muito boa, confesso que não a acho tão arrematadora quanto poderia ser.  mas como já disse, acho todas as canções muito boas.
Página seguinte do encarte
Há de se ressaltar o esforço que deve ter sido transformar em músicas, obras tão conhecidas e tão veneradas como as do Poe, justamente pelo prestígio do autor. É bem delicado mexer com obras de grandes artistas e, como é de se esperar, o argumento “o disco não está à altura das obras originais” pode ser recorrente. Entretanto, ainda que este seja um argumento válido, não devemos subestimar o álbum.
Só consigo pensar em uma facilidade que pode ter havido para a criação do álbum: a popularidade dos contos facilita a compreensão das ideias conceituais do álbum e isso pode ter dado uma maior liberdade criativa aos compositores e músicos.
De forma geral, são músicas que nos transportam direto para a atmosfera dos trabalhos mais famosos do Poe e, mesmo sabendo que é uma zona de risco indicar isso aqui, pois creio que várias de vocês sejam admiradoras do Poe e podem não gostar, acho que pode ser um disco bem interessante e que pode agradar bastante a quem se atrever a experimentar!
The Raven

Tell-tale Heart

The fall of the house of Usher




Uma curiosidade sobre esse álbum é que a ideia original era que o disco tivesse narrações gravadas por Orson Welles, porém isso acabou não acontecendo na primeira edição do álbum, e, somente em 1987, quando a primeira versão em CD foi lançada é que essas narrações foram adicionadas ao disco.

Outro fato interessante é que a banda tem um outro disco temático, o álbum ‘I, robot’, que é baseado na obra de mesmo nome de Isaac Asimov. Quem tiver curtido a banda, aconselho dar uma olha olhadinha nesse também...

Espero que tenham gostado, beijo e até mais! 



    Share on Facebook Tweet about this on Twitter Share on Google+ Pin on Pinterest Share on Tumblr Digg this Share on LinkedIn

6 comentários :

  1. Eita, um review bem feito desses dá até gosto de ler (mesmo sem sequer conhecer a banda AHAHA).
    Agora já conheço até as particularidades aheuaehuae. Amo a blogosfera por conta disso, nos dá acesso a coisas que nem pensamos que poderíamos ter interesse. Confesso que cliquei nos vídeos e vi que nenhum faz meu estilo, mas agora já posso indicar aos miguxos que curtem progressivo, olha só que bacana, haha.

    Ahazou, Thays <3

    Beijão ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, muito obrigada Hell!
      Fico muitíssimo feliz que tenha gostado e muito grata pelas palavras... <3
      Eu gosto muito de álbuns conceituais e temáticos já que dá pra apreciar a história por trás de tudo além da sonoridade... Eu entendo que não tenha curtido o som, rock progressivo não é um gênero que agrada muitos. *risos
      Estou com outros post encaminhados sobre álbuns conceituais, de estilos diferentes, espero que os próximos lhe agradem! ^^
      Beijo e até mais!

      Excluir
  2. Olha, eu queria dizer que eu gostei muito das músicas que você postou e achei sensacional a ideia de fazer músicas baseadas nas obras de autores queridos.
    Não fazia ideia de que alguém nesse mundo já tinha tido essa ideia brilhante.. rs
    Obrigada pelo post! ^^
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Mone! :D
      Também achei a ideia sensacional!
      Obrigada você por ler e deixar aqui sua opinião a respeito do post! <3
      Beijo e até mais!

      Excluir
  3. Salvei seu post nos favoritos pq não tive tempo de ler logo qd vi, mas... estou apaixonada! Poe também é um dos meus escritores favoritos e e embora rock progressivo não seja uma grande paixão minha, vou experimentar! haha Aliás, vc conhece os Edgar Allan Poets? Não é progressivo, mas é rock, e os vocais são ótimos!
    Um beijo!

    wwwyeahitsallmine.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, fico muito feliz que tenha gostadado! *__*
      Não conheço essa banda, mas com certeza irei procurar. Muito obrigada pela dica! :D
      Beijão e até mais, Deborah!

      Excluir