6 de setembro de 2015

O Caso de Charles Dexter Ward, H.P. Lovecraft

Quem me conhece sabe que sou aficionada pelas obras do Lovecraft, mas ironicamente nunca tinha falado sobre nenhuma delas aqui.

Mestre do terror e precursor do horror cósmico, Howard Phillips Lovecraft figura na lista de preferidos de muitos bem ao lado de Edgar Alan Poe. As influências de suas obras são amplamente vistas em livros, filmes e jogos atuais e, como seus fãs assumidos posso citar Neil Gaiman, Stephen King e Guillermo Del Toro.

Hoje finalmente vou trazer algo dele aqui e falar um pouco do último livro que li deste autor: O Caso de Charles Dexter Ward.

Nesta obra, temos a história do personagem que dá nome ao livro, um jovem de 26 anos que sempre foi apaixonado por coisas antigas, arqueologia e história. Numa de suas pesquisas Charles descobre seu parentesco com um misterioso homem que viveu em sua cidade há mais de um século e meio: Joseph Curwen.

Fascinado pela descoberta, Charles Dexter Ward mergulha de cabeça em busca de saber mais sobre seu antepassado. Assim, descobre que Curwen não era nada bem quisto pelos moradores de Providence que desconfiavam que ele praticava magia negra, bruxaria entre outras coisas nefastas, já que ele pouco envelhecia com os anos e cultivava estranhos hábitos noturnos e misantrópicos.

Em suas pesquisas a respeito de Curwen, vê que este foi parar em Providence fugido de Salem e, a medida que evolui em suas descobertas, o jovem Charlie começa seus estudos pelo oculto.  Envolvido nesses estudos, o protagonista é acometido de uma loucura que o faz perder toda memória da época em que vivia e que aguçou incrivelmente todo o seu saber de coisas do passado. Essa desordem psicológica já daria um bom mistério, mas, além disso, Charles envelheceu fisicamente também, adquirindo a aparência de um homem idoso.
Retrato de Joseph Curwen por SharksDen - DeviantArt

Internado num manicômio aos cuidados do Dr. Willet, Charles consegue fugir e a partir daí começa a investigação para saber o que houve com o protagonista. Quem conduz essa investigação é o próprio médico, que vai seguindo os passos de Charles a fim de entender o que aconteceu em suas pesquisas que causou aquela mudança física e psicológica no jovem, bem como seu paradeiro.

Neste livro o horror não é o elemento mais presente, acho que há um teor muito mais forte de mistério e suspense nesta trama, o que é seu maior destaque. Algumas vezes até deduzimos alguns fatos da história, mas isso não diminui a tensão e a expectativa pelo desenrolar da história, pelo contrário, faz você querer saber a que ponto foram as descobertas do protagonista, qual a verdadeira natureza do antepassado recém descoberto e as consequências que essa ligação pode ter causado e aí, largar o livro antes de terminar de ler se torna uma tarefa complicada...

Como a maioria das obras de Lovecraft, essa história é contada em terceira pessoa, a partir de relatos e algumas correspondências e quase não há diálogos. 

Quem já leu alguma obra de Lovecraft sabe que outra característica marcante de sua escrita é descrever bastante os lugares, pensamentos e/ ou situações em que os personagens estão, mas quase nada sobre as características físicas do que aflige os protagonistas. Ele te induz a tirar suas próprias conclusões, a imaginar os ‘terrores inomináveis’ que estão acontecendo ou que seria ‘aquela coisa’ tomando forma nas histórias. Esse recurso é bastante usado nesse livro também.
Ilustração de Lovecraft 'criando' seu Universo - Créditos na imagem

Se você já conhece e gosta da escrita Lovecrafteana, indico bastante esse livro pela história bem construída e pelo suspense maravilhoso que é. Caso não seja muito fã de livros descritivos ou ainda não tenha lido nada deste autor, acho que deveria dar uma olhada em contos mais curtos primeiro.

Minha edição é da L&PM Pocket e ganhei de presente de uma amiga querida que não gostou muito da leitura. Na dedicatória ela diz que ele está nas mãos certas e só o que eu tenho é a agradecer porque adorei o livro, muito mesmo e com certeza está guardado com muito carinho.

Espero que tenham gostado e "Ph'nglui mglw'nafh Cthulhu R'lyeh wgah'nagl fhtagn"!






    Share on Facebook Tweet about this on Twitter Share on Google+ Pin on Pinterest Share on Tumblr Digg this Share on LinkedIn

4 comentários :

  1. A narrativa de Lovecraft é sempre impecável e apaixonante *-*

    ResponderExcluir
  2. Não li esse livro ainda. Depois vou procurar pra ler, com certeza! ^^
    Adorei a resenha!
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! ^^
      Eu sou apaixonada pelas obras do Lovecraft e mais que recomendo, Mone! Certeza que não irá se arrepender! ;)
      Beijo e até mais!

      Excluir